Escolha a área que deseja acessar IR PARA O WEBTRIEVE

Glossário

A
A liga de alumínio
Partículas brancas indicam o desgaste do Componente de alumínio tal como a carcaça fria da turbina.
AG
Teor de água por Karl Fisher – ASTM D1744.
AN
Ferrografia analítica (executável apenas quando existir DR).
Análise físico-químicos
Inclui testes comuns para propriedades físicas e químicas. Por exemplo, a viscosidade, TAN, etc.
C
Contaminantes
Partículas não-metálicas observadas durante Ferrografia analítica que estão sendo introduzidos no reservatório de lubrificante. São partículas abrasivas que ocasionam um aumento de desgaste prematuro.
COR
Cor - ASTM D1500.
cSt: centistokes
Unidade da viscosidade medidos em cada 40 ° C ou 100 ° C.
D
DA
Deaeração (Air Release ASTM D 3427 nas temp. de 25 ou 50 ou 75 C).
Data de processo
Data e hora em que a amostra foi recebida no laboratório.
DEM
Demulsibilidade ASTM D 1401.
Densidade
Massa de óleo por unidade de volume.
Desgaste corrosivo
Partículas escuras pequenas identificadas no microscópio durante a análise Ferrografia. Causada por ataque ácido nas superfícies de metálicas, especialmente quando óleo lubrificante está degradado.
Desgaste de corte
Longa espiral ou em forma crescente de partículas, assemelhando-se a resíduos de usinagem. Proveniente de desgaste abrasivos ou desalinhamento.
DR
Ferrografia quantitativa + Viscosidade @ 40 C + Água.
DRS
Ferrografia quantitativa.
E
ES
Espuma – ASTM D892.
Espectros de infravermelho
Um gráfico da energia infravermelha absorvida em várias frequências na região do aditivo do espectro de infravermelho.
F
Ferrografia analítica
É um poderoso diagnóstico capaz de detectar grandes partículas de desgaste, ou seja, até 100 microns. Nele ocorre uma avaliação qualitativa do desgaste apresentado através de exame microscópico de detritos suspensos numa amostra de óleo usado.
Fibras naturais ou sintéticas
Observadas por análise Ferrografia às vezes indicando contaminação ou deterioração filtro.
FT
Laudo Fotomicrográfico (executável apenas qdo. existir AN).
FTIR: Fourier Transform espectroscopia de infravermelho
FTIR: Fourier Transform espectroscopia de infravermelho
G
Glicol
Uma medição da percentagem aproximada de contaminação de glicol em óleo. O glicol é utilizado comumente no sistema de arrefecimento do motor.
GOT
Ponto de gota (graxa).
H
Horas do óleo
Tempo de serviço no óleo.
I
Índice de acidez (AN)
Mg de KOH necessário para neutralizar o tampão de base em óleo, utilizando o procedimento de ASTM 974. Uma redução indica perda de reserva de base, indicando a possibilidade de desgaste corrosivo no motor diesel.
ISO 4406 - 99
Norma utilizada especialmente para análise de sistemas hidráulicos. O código apresenta de três números em escala logarítmica para classificar a limpeza do óleo com base no número de partículas maiores do que 4,6 e 14 microns.
IP
Insolúveis – ASTM D4055, ASTM D893.
IR
Espectrometria de Infravermelho com oxidação, sulfatação, nitração e fuligem.
IRC
Espectrometria de infravermelho – fornecimento de curva em absorbância ou transmitância.
IRP
Espectrometria de infravermelho – Estudo de picos funcionais.
IV
Índice de Viscosidade – ASTM D2270.
K
Karl Fischer
Teste que mede o percentual de água presente no lubrificante (0,1% = 1000 ppm).
L
Ligas de aço
Partículas amarelas indicando desgaste de liga de cobre. Podendo indicar desgaste em mancais, buchas e arruelas de encosto.
Liga de cobre
Partículas amarelas indicando desgaste de liga de cobre. Podendo indicar desgaste em mancais, buchas e arruelas de encosto.
M
MIS
Miscibilidade entre amostras.
N
Nitrato
Indicador de degradação do óleo em motores movidos a gasolina e a gás natural.
O
O Flash C: Ponto de inflamação
A temperatura em que o lubrificante vai produzir vapores voláteis suficiente para inflamar quando exposto ao teste de chama. (ASTM D-92).
Oxidação
Indicador de tendência de degradação do óleo.
Óxidos vermelhos
Partículas de óxido de ferro (vermelho) observados por Ferrografia indicando um problema grave de umidade.
P
Partículas abrasivas
Partículas cristalinas, formadas especialmente por sílica proveniente de contaminação externa.
Partículas deslizantes graves
Grandes partículas ferrosas que são produzidas por contatos de deslizamento.
PC
Contagem de partículas com distribuição de tamanhos a partir de contagem microscópica – ISO4406, ISO4407, NAS1638.
PCG
Contagem de partículas – apenas grau de contaminação ISO4406 / NAS1638.
PCM
Ponto de Combustão Vaso Aberto – ASTM D92.
PEN
Penetração em graxa (grau NLGI).
PF
Ponto de Fulgor Vaso Aberto - ASTM D92.
PFS
Ponto de Fulgor Vaso Fechado de Pequenos Volumes – ASTM D7236.
PH
Determinação de pH.
Q
QCL
Teor de cloretos – Método Desxil.
QCU
Corrosão em lâmina de cobre (3h @ 100 C) - ASTM D130.
QDE
Densidade - ASTM D1298.
QGR
Gravimetria.
QOM
Conteúdo de óleo mineral por infravemelho.
QRS
Resistividade para fluídos ésteres-fosfatados.
R
RBOT
Oxidação em bomba rotativa – ASTM 2272.
Recomendações
Ações de inspeção de manutenção.
S
SG
Espectrometria de grandes partículas (> 10 µm) : Fe, Cr, Pb, Cu, Sn, Al, Ni, Ag, Si, B, Na, Mo e Ti – ASTM D6595.
SP: Espectroscopia por emissão atômica (ICP)
A medição de pequenas (menos do que 7 micron) e partículas de metal dissolvidos em óleo. ASTM D 6595.
SOL
Solubilidade de amostras em água, em etanol e em óleo mineral parafínico.
Sulfato
Indicador de degradação do óleo em motores a diesel.
T
TAN
Teor de Acidez – ASTM D664, ASTM D974.
TBN
Teor de Basicidade - ASTM D2896.
V
Viscosidade
Medida do tempo de escoamento do óleo a 40 °C ou 100 °C.
VS40
Viscosidade @ 40 C - ASTM D445.
VS100
Viscosidade @ 100 C - ASTM D445.
VSX
Viscosidade em outra temperatura - ASTM D445.
ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS